Conheça os nômades digitais

A pandemia deu origem a uma nova criatura: o nômade digital. O profissional que não tem residência fixa, que mora temporariamente nos hotéis onde se hospeda – onde quer que o trabalho o leve -, sem bens móveis ou imóveis, exceto as poucas coisas que carrega consigo de um lugar para outro. Quanto menos, melhor.

Essa é a conclusão de matéria  publicada essa semana pelo diário americano The Wall Street Journal.

Segundo o jornal, na medida em que a pandemia do COVID-19 tirou as pessoas dos escritórios e mostrou que há trabalho que pode ser feito de qualquer lugar, surge um grupo de profissionais autônomos ou empreendedores que resolveram radicalizar essa independência.

Existem aqueles, como um empresário suíço citado na matéria, que preferem reduzir seus pertences àquilo que cabe numa mochila, enquanto percorrem o mundo a negócios (Alen Frei carrega consigo apenas 62 pertences , entre roupas e celular – nada de computador), o que é a versão mais acentuada dessa nova tendência. Outros, porém, pode reavaliar suas vidas e reduzir o período de moradia em um único lugar. 

Já surgiu até um serviço, Outsite, de olho nessa nova tendência, oferecendo, por dois mil dólares mensais, uma assinatura que dá acesso a moradias em cidades diferentes, onde o assinante pode morar e trabalhar quando quiser, por quanto tempo quiser. 

Leia a matéria na íntegra aqui