O cargueiro do futuro será movido pelo vento

Um navio que não seja movido a combustível poluente é um objetivo mais que necessário, quando se sabe que o carbono emitido por todos os cargueiros em atividade corresponde à emissão registrada por muitos países. E é um objetivo difícil de ser alcançado, já que uma opção óbvia – a energia elétrica – eliminaria espaço valioso para cargas, diante do tamanho das baterias que seriam usadas em casos como esses. Mas não é um sonho impossível. Que o diga a parceria formada pela construtora naval Wallenius Marine, de Estocolmo, e o instituto sueco de pesquisa SSPA.

Juntos, criaram o navio Oceanbird, que será movido à moda antiga: pela força do vento.

O Oceanbird – medindo quase 200 metros de comprimento – usará “velas” gigantes, de quase 80 metros, feitas não de pano, mas de metal. A única vez em que algum combustível será usado se dará quando o barco chegar ao porto. Assim, terá reduzido a 90% sua emissão de carbono,

Mas ainda vai demorar um pouco até essas embarcações ganharem os mares. Embora encomendas sejam aceitas a partir de 2021, somente em 2024 os navios serão entregues.

A dica é da Fast Company.