“O dia em que a música ao vivo voltar”

Dave Grohl, frontman dos Foo Fighters, assina editorial publicado, ontem, na revista americana The Atlantic, em homenagem aos shows realizados diante de uma plateia, algo inimaginável nos tempos atuais, e território habitual do músico.

No texto, Grohl celebra a experiência de se assistir a um show e de se apresentar ao vivo, “cantando de braços dados no máximo que seu pulmão aguentar, corações disparados, corpos se mexendo, almas explodindo de tanta vida”. Uma atividade que ainda custa a ser retomada, mas que, Dave garante, “voltaremos a fazer, porque precisamos. Não é uma escolha. Somos humanos. Precisamos de momentos que nos reafirmem que não estamos sós. Que somos compreendidos, Que somos imperfeitos, E, o mais importante, que precisamos uns dos outros”.

Em tom emocionado, ele relembra suas próprias vivências como público num concerto de rock – cita, em especial, a abertura dos shows da turnê Elevation Tour, do U2, em 2001 (com as luzes do ginásio todas acesas, sem telão ligado, a platéia movida exclusivamente pelo poder da música e da perfomance da banda), como uma lembrança que exemplifica a transcendência das apresentações ao vivo, e lembra um conselho de Bruce Springsteen, veteranérrimo da estrada: “Quando você olhar para a plateia, precisa se ver nela, assim como ela precisa se ver em você”.

O texto completo pode ser lido aqui.