O futuro do teatro reside num visor de realidade virtual?

No momento, você não pode ir ao teatro. Mas ele pode vir a você: vídeos com a íntegra de um espetáculo são uma forma. Mas um grupo experimental de criação de video games baseado em Los Angeles, Tender Claws, criou uma outra maneira, um novo tipo de entretenimento que pode indicar saídas interessantes para as artes cênicas num mundo pós-pandemia.

Basicamente, o Tender Claws criou entretenimento imersivo, uma espécie de jogo eletrônico interativo, de realidade aumentada, acessível via headset de realidade virtual , como o Oculus Quest, misturando criações virtuais e atores de carne e osso, segundo Todd Martens, crítico de video games do jornal The Los Angeles Times.

Ao explorar um dos trabalhos criados pelo grupo, “The Under Presents”, Martens disse ter dançado com um gato cantor, aprendeu feitiços com um esqueleto bêbado e entrou num navio contido dentro de uma garrafa.

Para Todd, o trabalho do grupo Tender Claws “aponta para um possível caminho adiante, onde os mundos da tecnologia para uso caseiro e o teatro se unem para construir não apenas experiências novas mas também para criar novos modelos de negócios”.

Saiba mais sobre o Tender Claws e suas criações lendo a íntegra da matéria aqui.