PLAYLIST 100 – A seleção comentada da semana

Phosphorescent – “Like A Rolling Stone”– Hoje chegamos a cem semanas – quase dois anos – de playlists semanais com novidades que tomam o pulso do pop, do rock, do jazz e da MPB, reexaminam o passado e apontam para o futuro. O tempo não para – muito menos nós aqui. E celebramos essa marca começando com uma das composições mais importantes da história do rock, uma criação genial e imortal de Bob Dylan – em nova versão, meditativa, espartana, só a voz e o piano de Matthew Houck –, para lembrar que ninguém está imune do musgo, e que, por isso,  só mesmo rolando o tempo todo, como as pedras. 

Swami John Reis – “Ride The Wild Night“ – Quem conheceu lá nos anos 1990 o Rocket From The Crypt e o Ride Like Jehu está familiarizado com as guitarradas sanguíneas do californiano John Reis. Agora, ele lança seu primeiro álbum solo, Ride The Wild Night, igualmente potente no quesito guitarras e com fortes raízes no punk, mas com uma riqueza musical bem maior. 

Lizzo – “About Damn Time” – A cantora precede seu novo álbum, Special, que sai em julho, com um single que nos transporta para a pista de dança de uma disco imaginária onde Chic faz a festa. 

Katia B– “Seco” – Rajadas de cordas e percussão imitando tiros e trovões abrem o caminho para o dueto dramático entre Katia e Pedro Luis na faixa do excelente novo EP da cantora carioca. 

Louise Goffin – “I Saw The Light”– O álbum-solo que elevou o cantor, compositor e instrumentista Todd Rundgreen ao Olimpo pop americano – Something, Anything, de 1972 –  ganhou releitura comemorativa de seus 50 anos, com versões como esta, feita por voz com um senhor pedigree: Louise é filha de Carole King e Gerry Goffin, autores de algumas pérolas perenes, como “The Loco Motion”, “Goin’ Back” e “Up On The Roof” – cuja sonoridade vintage é reproduzida aqui. 

Michael Head & The Red Elastic Band – “Kismet”– A jornada através do Atlântico, de Liverpool em direção à Califórnia, empreendida pelo veteraníssimo e celebrado cantor e compositor britânico Michael Head, mesmo que imaginária, resulta em um brilhante álbum solar, seu primeiro em cinco anos, repleto de personagens e situações agridoces, um grande e rico cartão postal.  

Casa das Máquinas – “Brilho Nos Olhos”– Cascatas de sintetizadores e estruturas complexas envolvem o primeiro álbum do grupo  paulista de rock progressivo em quase meio século.

Tropical Fuck Storm, King Gizzard & The Lizard King– “Satanic Slumber Party” – Com um título desses, quem há de resistir. Dá para ser mais maluquinho? Sempre dá. 

Toro y Moi – “Postman”– Contrabaixo borrachento, elástico, à Bootsy Collins, como gostava Sly Stone, lá por 1971, conduz esse funk sinuoso de Chaz Bear no primeiro single de seu sétimo álbum, MAHAL, que sai semana que vem.

Rolling Blackouts Coastal Fever – “The Way It Shatters”– O quarteto australiano chega a seu terceiro álbum tecendo com destreza e precisão as guitarras de seu pop-rock indie.