PLAYLIST 102 – A seleção comentada da semana

Wilco – “Falling Apart (Right Now)”– Jeff Tweedy e grupo mergulham de cabeça no country tradicional na primeira faixa disponibilizada do novo álbum, Cruel Country, que sai no fim do mês.  

Flock of Dimes – “Go With Good“ – Brisas tropicais, quentes e preguiçosas,  parecem soprar nessa deliciosa e dolente gema, resgatada dentre várias sobras de estúdio de Jenn Wasner (também do Wye Oak), agora reunidas no novo Head of Roses: Phantom Limb

The Umoza Music Project – “Home” – Mais de 20 músicos africanos e britânicos participam desse projeto internacional. No baixo, Paul McCartney garante aqui o alicerce com um suíngue melódico sólido e contagiante. 

Maria de Fátima – “Você” – “Imagine se Joni Mitchell tivesse nascido no Brasil”, propõe o crítico Jon Pareles em seu curto mas entusiasmado texto no The New York Times sobre o único álbum individual dessa tijucana com um pé no Uruguai (que já trabalhou com uma variedade de artistas que vai de Milton Nascimento e Gilberto Gil a Lincoln Olivetti), gravado em 1981 e relançado agora. É um disco de MPB sofisticada, rica, com vocais carregados no efeito e no eco, que vale ser descoberto – ou redescoberto por quem o ouviu pela primeira vez quarenta anos atrás. 

Flora Purim – “500 Miles High”– Uma das principais vozes femininas brasileiras do jazz está de volta, do alto de seus 80 anos, com seu primeiro álbum em quase duas décadas. Aqui ela homenageia Chick Corea, com quem trabalhou na primeira formação do legendário e seminal grupo de fusion Return to Forever, regravando uma faixa do segundo álbum lançado por eles em 1973. 

Tim Bernardes – “Nascer, Viver, Morrer” – Rock rural, versão século 21, colorido com um compreensível quê de Fleet Foxes, com quem o cantor/compositor paulistano colaborou no último álbum da banda de Seattle. 

Lani Hall – “The First Time Ever I Saw Your Face”– A  veteranérrima cantora resgata a sonoridade anos 1960 de sua antiga banda – a Brasil ’66 de Sérgio Mendes – para revisitar, em estilo bossa nova, esse mega-clássico de Roberta Flack no primeiro disco individual que lança em 20 anos, repartido com o marido: o músico e produtor Herb Alpert, lenda do pop-jazz e da industria fonográfica. 

Allegra Krieger – “Taking It In”– Na faixa de seu segundo álbum, Precious Thing, a nova-iorquina Allegra tenta recuperar primeiras impressões e sensações com um folk camerístico e intimista que não soa muito distante de Laura Veirs.

Luke Howard – “Critical Spirit”– Música inspirada pelo livro A Peste, de Albert Camus, e composta durante o lockdown na Austrália, misturando instrumentos acústicos – piano, flauta, violinos – e sintetizadores para criar uma atmosfera meditativa. 

Melody’s Echo Chamber – “Emotional Eternal”– A artista francesa faz jus ao nome, nadando de braçada no eco, na faixa-título de seu novo álbum, que poderia ter sido gravada na Swinging London ou na Paris dos anos 1960.