PLAYLIST 22 – A seleção comentada da semana

Jaded Jane, Anna Lundqvist – “Troubled Skies” – Pop eletrônico com jeitão de anos 1980, vindo da Suécia, com participação da vocalista holandesa Anna, que acrescenta uma coloração mais jazzística.  

Father John Misty – “Anthem” – O maneiríssimo cantor-compositor americano Father John Misty regravou (algumas oitavas abaixo) Leonard Cohen duas vezes para um EP beneficente ultra bem sacado, adicionando a esta faixa (de 1992)  “One of Us Cannot Be Wrong” (de 1967), também do bardo canadense, mais versões para “Trouble”, de Yusuf/Cat Stevens (originalmente gravada em 1970), e “Fallin’ Rain”, de Link Wray (de 1971).

Eilen Jewell – “Green River” – Cantora e compositora de country folk, a americana Eileen mostra sua versão de um clássico do Creedence Clearwater Revival. 

Lianne La Havas – “Seven Times” — A londrina Lianne combina pop, rock, soul e rhythm and blues com leveza e elegância em seu terceiro álbum, como demonstrado na suingada “Seven Times”, levada por ela no violão.  

Sly5thAve  + Thalma de Freitas – “Expatria” – Esta faixa do multi-instrumentista, compositor e produtor americano Sly5thAve fala sobre amor e saudade e faz parte de seu primeiro álbum, What It Is, que sai em setembro. É uma colaboração para lá de especial com a cantora carioca Thalma de Freitas, indicada ao Grammy de Jazz Latino em 2019, pelo álbum Sorte!, que compôs e deu voz à música.

Emitt Rhodes, The Bangles, Richard Thompson – “What’s a Man To Do” – Morto dias atrás, aos 70 anos, o cantor e compositor Emitt foi uma das forças mais progressivas e inspiradas do power pop americano, e influenciou caminhões de artistas, como as integrantes do grupo californiano The Bangles, que o acompanham nesta faixa, gravada em 2015, da qual participa também a guitarra sublime de Richard Thompson.

Hedvig Mollestad – “Antilone” – Jazz-rock progressivo da guitarrista norueguesa, que sai solo pela primeira vez depois de cerca de uma década à frente de seu Trio. Hedvig arrebenta, cheia de marra e chinfra, comme il faut

IDLES – “Mr. Motivator” – E já que estamos falando de guitarras, vamos aos riffs de 50 toneladas dos IDLES (assim mesmo, maiúsculos), de Bristol, cujo terceiro álbum, Ultra-Mono, vai direto ao assunto, condensando sua música a um minimalismo de efeito potente, enganchado em letras provocativas, jogos de palavras mais faladas (gritadas?) que cantadas por Joe Talbot.

Devendra Banhart – “It’s Not Always Funny” – De sonoridade solar e leve, mas com letra sarcástica, essa primeira faixa do novo EP de Devendra, Vast Ovoid, tem um quê de Califórnia dos anos 1960 e vem das sessões de seu álbum anterior, Ma

The Rolling Stones – “Scarlet” – Vai entender. Selecionar uma gravação de outubro de 1974 para entrar na seleção de raridades e inéditas do novo caixotão deluxe do álbum Goats Head Soup, lançado originalmente em agosto de 1973? Mas é isso o que os Stones fizeram aqui, desencavando o registro de pouco mais que uma jam bem acabada, da qual Jimmy Page participou meio por acaso, já que o Led Zeppelin estava gravando no mesmo estúdio naquele dia. “Scarlet” passou por diversas encarnações, e chegou a ter contribuições brasileiras, quando Mick Jagger gravou na Polygram do Rio de Janeiro, em 1976, com um grupo de músicos que incluiu Antonio Adolfo, no piano, Dadi, no baixo, Paulinho Braga, na bateria, Luis Cláudio, na guitarra, e um punhado de percussionistas. Mas acabou valendo esta versão, que tem também Ian Stewart no piano (de acordo com os créditos, embora inaudível) e Rick Grech, ex-Blind Faith, no baixo. Uma gravação de Page com os Stones é uma raridade, mas “Scarlet” não seria a única dele com a banda: houve também “Through the Lonely Nights”, lado B  do single de “It’s Only Rock and Roll, editado em 1974, e “One Hit to the Body”, do álbum Dirty Work, de 1986.