PLAYLIST 45 – A seleção comentada da semana

The Empty Hearts – “Coat Tailer” – Supergrupo de pop-rock, formado por veteranérrimos com passagens por bandas como The Cars (o guitarrista Elliot Easton), Blondie (o baterista Clem Burke, também dos Eurythmics), lança agora seu segundo álbum, cheio de marra e de ganchos. 

Kills Birds – “Worthy Girl” – Esse quarteto de Los Angeles  faz rock alternativo com muito de art punk, tendo à frente a singularíssima vocalista Nina Ljeti, de sangue bósnio e canadense, cheia de atitude e de potência.

Eddie Vedder – “Growin’Up” – O vocalista do Pearl Jam gravou no conforto de sua sala de estar uma cover dessa música de Bruce Springsteen, lançada originalmente em 1973.

Duran Duran – “Five Years” – E olha Simon Le Bon e turma de volta, também fazendo uma versão, dessa vez para um clássico de David Bowie, como parte ao tributo ao artista no que seria a comemoração de seus 74 anos.

Sheryl Crow – “Beware of Darkness” – Em seu mais recente disco solo Sheryl faz uma versão desse clássico de All Things Must Pass, o monumental primeiro álbum individual de George Harrison, com participações de Eric Clapton, na guitarra, e Brandi Carlisle, no vocal.

The True Loves – “Sunday Afternoon” – Vem de Seattle esse octeto (isso já não é mais banda, é aglomeração!) de funk-soul maneiríssimo, que traduz muito bem com música o sentimento de uma deliciosa tarde de domingo. 

XIXA – “May The Call Us Home” – Som de faroeste psicodélico multicultural do sexteto (!!) de Tucson, no Arizona, com sugestões de poeira, cactus e duelos sob um sol a pino. 

Pauline Anna Strom – “Marking Time” – Primeiro single de Angel Tears in Sunlight, o novo (e derradeiro) álbum da cultuada compositora de música eletrônica da região de São Francisco, morta ano passado, aos 74 anos. Cega, Pauline pintava paisagens sonoras intrigantes, verdadeiras viagens por galáxias interiores. 

Cory Hanson – “Angeles”– Fundador do Wand, Corey troca o peso, a sujeira e o psicodelismo de seu grupo original por um som doce, com predominância de instrumentos acústicos e gosto de country, para seu novo disco solo.

Joan Baez  – “Forever Young” – No sábado passado, nossa musa completou 80 anos. E essa versão da música/prece de Bob Dylan, encerrou o show que celebrou os 75 anos dela. Um presente de Joan – com a sabedoria de quem já viveu tanto – para todos nós.