PLAYLIST 52 – A seleção comentada da semana

St. Vincent – “Pay Your Way In Pain” – Com sangue nos olhos e cheia de marra, St. Vincent ressurge efeitada e funky,  com um jeitão de Prince circa Sign o’ the Times, no que ela define como “blues para 2021”, parte de seu sexto álbum, Daddy’s Home.

John Lennon – “Mother” – O primeiro álbum solo de Lennon, que, em muitos sentidos, ressignificou John, ganha reedição super deluxe pouco mais de 50 anos após seu lançamento, recheada de inéditas e de remixagens, como esta, da faixa de abertura do disco.

James – “All The Colours of You” – A faixa-título do décimo-sexto álbum da famosíssima banda de Manchester – gravado parcialmente durante a pandemia, com o produtor Jacknife Lee trabalhando de casa – chega rugindo contra as perversões do governo Donald Trump e os recentes “tempos malucos”.

Nick Cave, Warren Ellis – “Carnage” – Mais uma parceria da dupla de velhos colaboradores, embora só agora creditada aos dois, e não a Nick Cave e Bad Seeds, este álbum com alma de feito-em-casa tem um título (Carnificina) que induz a se esperar escuridão. Mas o que ele traz, predominantemente, é contemplação.

Thunder – “Going to Sin City”- Veterano cascudo é isso aí. O quinteto inglês, em atividade desde o final da década de 1980, não esconde os cabelos prateados, mas faz um rock clássico tinindo de vigoroso e revigorante.  É daquelas músicas que dão vontade de ir aumentando o som ainda mais a cada 15 segundos.

Psychedelic Porn Crumpets – “Tally-Ho” – Só o nome desses australianos (Bolinhos Psicodélicos Pornográficos) já atiça a curiosidade, mas o quinteto é mais que apenas um nome pitoresco (e picaresco). Psych-rock denso e sofisticado.

Gary Numan – “Intruder” – E olha Gary Numan aí, minha gente, um dos principais nomes da New Wave da década de 1980 e influência de tanta gente (Nine Inch Nails, para começar), ainda impulsionado por um som eletrônico parrudo, mas agora com um álbum conceitual sobre a crise ambiental.

Peter Frampton Band – “Avalon” – É muito interessante o projeto Frampton Forgets The Words, em que Peter e sua banda regravam versões instrumentais de algumas de suas canções favoritas, como esta, super hit do Roxy Music.

Loretta Lynn – “One’s On The Way” – Do alto de seus quase 90 anos, este ícone da música country revisita em seu novo álbum (o de número 50!) algumas músicas de seu vasto repertório com vigor de menina, mesmo quando emparelhada a sucessoras décadas mais jovem, como Margo Price, que canta com ela essa faixa.

The Anchoress – “The Art of Losing” – Com um jeito de cantar que combina Kate Bush com Sal Solo (o vocalista do Classix Noveaux, sensação de vida curta da New Wave britânica – quem lembra?), a galesa Catherine Anne Davies (ou Anchoress, termo usado no cristianismo para se referir a uma mulher que se recolhe do mundo para viver para rezar) apresenta um synthpop século 21 irresistível.