PLAYLIST 58 – A seleção comentada da semana

Helado Negro – “Sound and Vision”– O americano Roberto Carlos Lange – ou Helado Negro, como se apresenta, tomando a identidade alternativa de suas origens equatorianas – abraça de maneira pop quase esotérica uma das tantas músicas-assinatura de David Bowie para o álbum-tributo Modern Love, que sai no final de maio.

Mick Fleetwood and Friends – “Albatross” – David Gilmour sola sublime nessa recriação de um dos clássicos do Fleetwood Mac, em registro no show em tributo a Peter Green, o gigante da guitarra e do blues que ajudou a fundar a banda.

Lambchop – “Fuku” – Segunda faixa a ser disponibilizada de Showtunes, o novo álbum do estimado projeto de Kurt Wagner, decano do alt tudo (rock, country, pop), que sai no final de maio.

Ryley Walker – “Shrinks The Day” – Psicodélica e experimental, esta é uma das duas longas faixas que compõem o registro de uma apresentação conjunta do cantor, compositor e guitarrista americano Ryley com a banda japonesa Kikagaku Moyo no festival Guess Who?, na Holanda.

Hiatus Kayiote – “Get Sun” – Outra colaboração interessante: o quarteto australiano veio ao Brasil excursionar, em 2019, e deixou o pais levando debaixo do braço uma gravação com o músico, compositor e arranjador Artur Veorocai, decano da MPB-jazz da década de 1970, para seu novo álbum, Mood Valiant, com lançamento previsto para junho. O resultado é um hip hop jazzístico com um arranjo de cordas e metais que empresta uma ginga e uma sofisticação brasileiras.

José Gonzalez – “El Invento” – O cantor e compositor sueco Gonzalez – de família argentina – imigrou do hardcore para o folk com seu estilo suave, meditativo, quase tímido. Ele costuma compor em inglês mas também usa o espanhol de suas raízes, especialmente depois do nascimento da filha pequena.

Aaron Lee Tasjan – “Computer of Love” – Baseado em Nashville, Aaron faz um pop cativante e inteligente, com muito a ver com Electric Light Orchestra e, sobretudo, o saudoso Stealers Wheel, do gênio Gerry Rafferty. 

Cheap Violent Cats – “2500 Gallons of Paranoia” – Reles Gatos Violentos tocando Dois Mil e Quinhentos Galões de Paranoia. Só isso já dá uma amostra do que pode vir por aí, mas ainda é pouco para descrever o rock instrumental feral dessa dupla britânica, ocasionalmente trio. 

Merry Clayton – “A Song For You”– Grávida de quatro meses, a cantora Merry correu para o Sunset Studios, em Hollywood, no meio da madrugada, ainda de pijama e bobs no cabelo. Em apenas duas tentativas, deixou registrada para toda a história do rock sua participação épica em “Gimme Shelter”, dos Rolling Stones. Apesar daquela noite ter ajudado a abrir inúmeras portas – ela veio a trabalhar com artistas como The Who, Carole King, Joe Cocker e Lynyrd Skynyrd, lançou seus próprios discos –, a vida não foi exatamente suave para Clayton. Possivelmente como consequência do esforço físico de mergulhar na gravação de horas antes, Merry perdeu o bebê no dia seguinte à ida ao Sunset. Mais tarde, já em 2014, sofreu um acidente de carro que custou suas pernas.  Hoje com 72 anos, Clayton está lançando um álbum predominantemente gospel, exceto por essa eletrizante releitura dessa gema de Leon Russell, que nunca é demais revisitar. 

Page McConnell – “Terra Incognita” – Tecladista da banda de jam americana Phish, Page criou um álbum solo instrumental, de música ambiental eletrônica impregnada de sintetizadores, criada após uma visita aos confins da Islândia.