PLAYLIST 59 – A seleção comentada da semana

Karen Dalton – “Something On Your Mind”– Não conhecia Karen, até ler na revista Uncut o depoimento de Nick Cave sobre a cantora-compositora americana, dona de voz de um milhão de anos, singularíssima, e uma pena afiada, de ir fundo na alma, descrita por Bob Dylan como alguém que cantava como Billie Holiday e tocava guitarra como Jimmy Reed. E o que disse Nick Cave sobre ela? Quando ele ouviu essa música, de 1970, ele caiu num pranto tão intenso que precisou estacionar o carro que estava guiando. “Não porque fosse uma música triste”, ele explicou, “mas porque era perfeita”. Vem aí um documentário sobre ela, In My Own Time, mas só em outubro. 

Katy Kirby – “Traffic!” – Alt folk-rock de Nashville, com um uso interessante de auto-tune – a manipulação digital que dá um efeito robótico à voz. 

Natalie Bergman – “Home At Last” – Em outubro de 2019, quando estava para começar uma apresentação no Radio City Music Hall, em Nova York, com sua banda Wild Belle, da qual faz parte também seu irmão Elliot, Natalie soube que seu pai e sua madrasta haviam morrido num acidente de carro em São Francisco, do outro lado do país. O show foi cancelado e Natalie mergulhou num período de luto que acabou resultando no recém-lançado álbum Mercy, onde usa a espiritualidade e uma série de questionamentos sobre o que acontece depois da morte para se reerguer. 

Dorothy Ashby – “Just Had to Tell Somebody” – R&B tocado na harpa, é mole? Pois é o que faz aqui Dorothy. Na década de 1960 ela foi uma pioneira, ao adaptar o jazz e o bebop para seu instrumento.  

Jennylee, Deap Vally – “Look Away” – A dupla feminina Deap Vally, de Los Angeles, une forças com Jennylee, baixista da banda Warpaint, para criar um sedutor clima de verão no sul da Califórnia. 

Jaguar Jonze – “DEADALIVE” – A artista multimidia australiana Deena Lynch (ou Jaguar Jonze, como se apresenta) se inspirou na pandemia e em sua própria batalha contra o COVID-19 para criar essa música neo-80’s musculosa, movida a ritmos eletrônicos e guitarra.

black midi – “John L” – A música desse quarteto inglês surpreende e confunde, combinando elementos e linguagens de forma inebriante. Consegue soar como um filhote punk de um cruzamento da Mahavishnu Orchestra com o King Crimson e, em seu novo álbum, Cavalcade, supera o hype irritante que a sobrevoava em seu surgimento, lá por 2017. 

Son Lux– “Unbind” – E partimos aqui para algo ainda mais experimental e desafiador: o projeto do americano Ryan Lott, hoje em formato de trio. É rock sem fronteiras. 

Paradigmes – La Femme”– Pop francês de última geração, feito por uma das bandas de rock mais populares hoje em dia no país de Johnny Halliday. 

Crosby, Stills, Nash & Young – “Our House (Early Version)”– A versão deluxe de Déjà Vu, o primeiro e icônico álbum da grife Crosby, Stills Nash & Young, traz um tesouro de raridades, como essa demo ainda rudimentar (mas de imensa emoção) da música que Graham Nash fez para celebrar sua felicidade conjugal ao lado de Joni Mitchell.