PLAYLIST 76 – A seleção comentada da semana

The Doors – “Riders On The Storm” – A versão deluxe da edição comemorativa de 50 anos do álbum L.A. Woman, dos Doors, chega em dezembro com mais de duas horas de material inédito. Como essa demo reveladora, que mostra Jim Morrison ainda burilando a métrica da letra, John Densmore procurando a melhor levada na bateria, Robby Krieger tateando o que faria na guitarra e Ray Manzarek ainda imaginando o solo que usaria na introdução da música. Mas a ossatura da canção já estava toda lá, pronta para ser adornada. 

Wet Leg – “Chaise Longue” – Ô, musiquinha chiclete! A dupla inglesa formada por Rhian Teasdale e Hester Chambers celebra as qualidades de se curtir a vida numa espreguiçadeira, enquanto convida para consumir cerveja quente no camarim.

Sleigh Bells – “SWEET75” – O primeiro álbum em quatro anos da dupla formada por Alexis Krauss e Derek Miller, Texis, aprimora ainda mais a receita de seu pop ultra turbinado. 

Fernanda Abreu – “Outro Sim” – Fernanda marca 30 anos de carreira solo com uma série de remixagens de músicas de seu repertório, reimaginadas por diferentes DJ’s e produtores. Aqui, Emicida participa do remix feito pelo carioca Ruxell, colaborador de Iza, Anitta e Pabllo Vittar.  Tudo super dançante, tudo irresistível.

La Luz – “In The Country” – Metal Man, o quarto álbum do trio de Seattle – liderado pela vocalista e guitarrista Shana Cleveland – é um caldeirão psicodélico onde se misturam soul da antiga, surf rock e até Tropicália. 

Shannon Lay – “Rare to Wake” – Apesar de feito hoje, o folk pastoral de Shannon nos transporta diretamente para uma época e a lugares distantes – mais precisamente, Laurel Canyon ou Dublin no final da década de 1960 –, mas a assinatura dessa Angelena ex-punk rocker é definitivamente século 21. 

Buffalo Nichols – “Lost & Lonesome” –  Esse americano de Wisconsin faz parte de uma nova geração de artistas de blues que acrescentam frescor e toques atuais ao gênero, mas sem desviar da raiz. Seu trabalho é ainda mais valorizado por ser o primeiro novo artista de blues lançado em duas décadas pelo selo independente Fat Possum, lar também do Black Keys mas antes focado em discos de decanos do blues como Mississippi Fred McDowell e R. L. Burnside.

Steve Gunn – “Other You” – Americana magistral, made in Brooklyn, com toques cósmicos, quase viajandões, no sexto álbum de Steve. 

Cereus Bright – “Give Me Time”– A faixa-título do segundo álbum de Cereus – o nome artístico de Tyler Anthony, do Tennessee – é indie folk que embala e hipnotiza, com contornos beatlescos no seu arranjo para cordas. 

Marlena Shaw – “California Soul”– A Apple sublinhou sua profunda ligação de vida inteira com a Califórnia – aliás, sempre enfatizada em toda sua linha de produtos – ao utilizar uma nova versão desse clássico dos anos 1960 na apresentação de seus novos iPhones, iPad e Apple Watch, no início da semana. Um recado de amor eterno pelo estado mais cool de todos os Estados Unidos.