PLAYLIST 89 – A seleção comentada da semana

The Smile – “You Will Never Work In Television Again” – O primeiro single da banda formada por Thom Yorke, mais o guitarrista Jonny Greenwood (seu colega no Radiohead) e Tom Skinner (baterista do Sons of Kemet, combo de jazz moderno) é produzido por Nigel Goodrich e apresenta ao mundo um som furioso e punk que ecoa os momentos mais pesados da banda de origem de Yorke e Greenwood.

Stro Elliott, James Brown – “Machine No Make Sex” Integrante dos Roots, o produtor e DJ Stro dedicou-se a uma tarefa desafiadora: remixar a obra de um dos pilares da música negra americana, o gigante James Brown. Assim nasceu o projeto Black & Loud. Elliott deu asas à imaginação, criando situações fictícias em sua cabeça para dar partida a cada remix. Aqui, por exemplo, imaginou como soaria se James gravasse o clássico “Sex Machine” junto com Fela Kuti. 

Moonchild – “Tell Him” – Filha de Donny, mestre da soul music dos anos 1960 e 1970, a cantora Lahlah Hathaway empresta sua divina voz a uma das faixas do novo álbum deste trio angeleno de R&B alternativo, Starfruit, que sai mês que vem.

Spiritualized – “Crazy” – O primeiro single de Everything Was Beautiful, o novo álbum do projeto do veterano britânico Jason Pierce, nasceu da mesma leva de demos que deu origem ao disco anterior, And Nothing Hurt. Com participação da cantora Nikki Lane, “Crazy” é um híbrido de country, psicodelismo e gospel que combina bem com a sonoridade viajandona do Spiritualized. 

Edgar Winter – “Johnny B. Goode” – Edgar celebra o legado do irmão mais velho, o bluesman Johnny, com Brother Johnny, um álbum recheado de convidados estelares, especialmente guitarristas como Joe Walsh e David Grissom, aqui regravando um clássico do rock e uma das músicas-assinatura dos shows do Winter mais velho, morto em 2014, aos 70 anos.

The Cactus Blossoms – “Everybody” – A dupla de irmãos do Michigan ressurge com uma música em estilo Neil Young na fase Harvest, da qual participa uma de nossas musas perenes, Jenny Lewis.

Luneta Mágica – “Águas Poluídas” – O quinteto amazonense precede seu terceiro álbum , No Paíz das Amazonas, com este single que contrasta um arranjo solar (ao mesmo tempo percussivo e psicodélico, e, de certa forma, com um jeitão sixties) e uma letra mergulhada nas sombras de um céu cheio de nuvens negras e abutres, onde “a morte é o pão de cada dia” , com a participação da cantora (e conterrânea) Karine Aguiar num trecho que traz à memória “The Great Gig In The Sky”, do Pink Floyd.

Midlake – Bethel Woods”– Um de nossos favoritos, o quinteto é texano mas seu folk pastoral mais se aproxima do rock progressivo – e acaba de disponibilizar o potentíssimo primeiro single de seu quinto álbum de estúdio, For The Sake Of Bethel Woods, inspirado numa imagem antiga, do falecido pai do tecladista da banda, quando ainda era garotão, em meio à multidão do festival de Woodstock. 

Jake Xerxes Fussell – “Rolling Mills Are Burning” – Folk profundo e meditativo da Carolina do Norte, saído do quarto álbum do artista (e estudioso de música folclórica), Good and Green Again. Uma canção agridoce e delicada sobre amores que acabam.  

The Ronettes – “Be My Baby” – Esta semana perdemos uma das vozes seminais do pop: a de Ronnie Spector, que, à frente das Ronettes, foi a representação mais completa da força, do melodrama e da musicalidade dos girl groups que reinavam nas paradas de sucesso e nas rádios AM nas décadas de 1950 e 1960.